Pular para o conteúdo principal

RJ: Seminário "Quero Meu Negócio", mostra como a crise pode ajudar no sucesso de novos negócios (08/07)


Rio de Janeiro, RJ. Foi-se o tempo em que uma boa ideia era o suficiente para um novo negócio prosperar. Em tempos de crise e milhões de desempregados em busca de novas oportunidades, o que vai contar realmente para ter sucesso é a maneira como o empresário vai gerir o seu novo negócio após ser lançado. E é para esse público que foi criado o seminário Quero Meu Negócio, que vai acontecer no dia 08 de julho, no Hotel Novo Mundo, no Rio de Janeiro, e será ministrado por Bernardo Medina, consultor de empresas familiares com mais de 4.000 horas de experiência em palestras, seminários, condução de grupos e aulas nesta temática.

Bernardo Medina
Criei o conteúdo pensando no momento que o País está passando. São milhões de pessoas desempregadas e procurando novos horizontes profissionais. E ainda um enorme número que está insatisfeito com o seu próprio trabalho e quer mudar de área. Oportunidades não aparecem simplesmente. Elas são criadas a partir do movimento de cada um. Abrir um negócio é o sonho de muita gente, mas é preciso saber fazer da forma correta, para evitar frustrações”, comenta Bernardo.

Normalmente, os negócios mais comuns propostos por empreendedores iniciantes estão nas áreas de alimentação, tecnologia e serviços pessoais ou empresariais. Mas há demanda por muitos outros nichos, como logística, educação, comércio tradicional ou eletrônico, vestuário etc, tanto para empreendedores iniciantes como para os mais experientes. 

O seminário, que foi desenvolvido para ajudar empreendedores de primeira viagem e empresários insatisfeitos com seus resultados atuais, terá conteúdo 70% prático e apenas 30% teóricos, o que garante resultados melhores se comparados aos cursos voltados apenas para o as ideias. “O nosso encontro acaba sendo uma grande oficina onde todos têm, de alguma forma, que saber tomar decisões sobre cenários que aparecem diariamente no mercado de trabalho. Não é preciso apenas conhecer as melhores práticas dentro do mundo dos negócios, é preciso, principalmente, saber usá-las”, complementa.

O seminário é dividido em quatro passos: ideação, modelagem, simulação (financeira) e plano de ação. No primeiro, o assunto gira em torno de quem é o cliente que o empresário quer atingir e como satisfazer a essa demanda. “Iremos responder estas perguntas utilizando dinâmicas testadas e utilizadas por empreendedores de sucesso, como o brainstorming, em que o participante poderá levar uma ideia preconcebida e desenvolvê-la com o grupo, ou simplesmente começar do zero”, explica Medina. Nessa etapa, a ideia é ajudar o empreendedor a identificar o máximo de oportunidades e ideias de negócio.

O segundo passo será em cima das melhores oportunidades de negócio pensadas no passo anterior. Por meio de uma ferramenta chamada "canvas", serão definidos os melhores modelos de negócios para cada empresa. Nessa etapa, o importante é testar diferentes modelos e colher feedbacks dos demais participantes da turma, que fazem o papel de clientes. O melhor modelo será o que entra a melhor proposta de valor com o melhor custo benefício.

Já na etapa três vai acontecer um teste com números. A maioria dos negócios morre nos primeiros dois anos por falta de planejamento. E uma grande falha costuma vir da parte financeira: erro no dimensionamento do capital, no prazo de retorno ou até no preço do produto. “Para testar a viabilidade da ideia de negócio do empreendedor, precisamos fazer contas. O diferencial desta etapa é que vamos disponibilizar uma simples e poderosa planilha com campos já pré-definidos. O objetivo desta etapa é simular a velocidade de crescimento do negócio, o equilíbrio entre receitas e despesas, avaliar preços de venda etc. Com resultado final, o participante conhecerá o investimento inicial necessário para iniciar a empresa, prazo e taxa de retorno, o lucro esperado e, claro, a probabilidade de sucesso. Se der errado nessa etapa, é só refazer a planilha, sem perder dinheiro”, explica.

No último passo será realizada uma dinâmica para orientar e motivar o empreendedor a continuar sua caminhada mesmo após o término do seminário. Ainda em sala, alunos e professor vão definir, juntos, seus objetivos e dividi-los em etapas e ações, com prazos definidos com precisão. Assim, o participante terá uma receita de bolo a seguir a partir do final deste dia, diminuindo muito o risco de paralisia.

Mas, afinal, seria a hora certa para se arriscar em novos negócios? Bernardo é enfático e explica que, na verdade, não há crise para quem está abrindo os novos negócios certos. “A crise existirá dependendo do tipo de negócio que a pessoa pretenda abrir e como este empreendedor irá se posicionar no mercado. Toda crise traz problemas, mas é possível tirar proveito delas se forem propostas soluções pelas quais o cliente está disposto a pagar”, finaliza. 

Confira o vídeo sobre o seminário:



Serviço: Seminário Quero Meu Negócio
Quando: sábado, 08/07/2017
Horário: 9h às 19h
Onde: Hotel Novo Mundo
Endereço: Praia do Flamengo, 20 – Flamengo – RJ

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …